16 mulheres que mudaram a história do esporte

Existem algumas mulheres que marcaram o esporte por diversos motivos. Algumas foram as que mais venceram na modalidade, já outras foram referências por impulsionar o esporte para o público feminino. Tem recordes que foram quebrados quando bem jovens, e muito mais. 

Considere ser uma tarefa nada fácil posicionar essas mulheres, que são verdadeiros ícones, em uma listagem que está enumerada. De alguma forma ou de outra, talvez seríamos injustos com algumas delas. Mas, o foco é que você reconheça e relembre esses nomes, que são valiosos.

Foto: (reprodução/internet)

16 – Billie Jean King (Estados Unidos)

Esse nome não é o mais lembrado do tênis feminino hoje em dia. Porém, Billie foi um ícone também fora das quadras, sendo importante por todos os anos da década de 1970. Mas, se é para falar sobre os títulos, saiba que ela tem 12 Grand Slams. 

Foto: (reprodução/internet)

Atualmente com 77 anos, ela é considerada uma advogada sem papas na língua para falar sobre o sexismo nos esportes e em toda a sociedade. No ano de 2009 ela foi condecorada pelo presidente americano, Barack Obama, com a Medalha da Liberdade. 

15 – Serena Williams (Estados Unidos)

No tênis, Williams é hoje em dia uma referência que deixou para trás grandes nomes, como de Maria Sharapova. Ela ainda está em atividade e o mais surpreendente é que voltou a jogar em alto nível mesmo após uma gravidez intensa. 

Foto: (reprodução/internet)

Até aqui ela soma 23 títulos no currículo de Grand Slams, que são as competições mais importantes do esporte no planeta. Além disso, ela tem um ouro olímpico no simples. 

14 – Kerri Walsh (Estados Unidos)

A jogadora de voleibol de praia Kerri é um fenômeno. Ela é mãe de três filhos e tem 3 ouros olímpicos, sendo uma referência nessa modalidade. Logo, é considerada a maior campeã de vôlei de praia de toda a história do mundo. 

Foto: (reprodução/internet)

Fora isso, ela ainda tem um bronze, que ganhou em 2016. Já em termos de mundiais, ela também soma 3 ouros e uma prata. Atualmente com 42 anos, ela ainda é uma competidora de alto nível, sendo que sua última dupla foi com April Ross.

13 – Lindsey Vonn (Estados Unidos)

O que ela fez foi somar medalhas em 5 categorias diferentes do esqui em Copas do Mundo. Incrível esse feito, não? Fora isso, ela tem mais 1 ouro em Olimpíadas, sendo em 2010.

Foto: (reprodução/internet)

Outro dado interessante é que ela reconhecida por ser uma das poucas mulheres a conseguir vencer corridas em downhill, super-G, slalom, gigante, slalom e combinado. Assim, possui 82 vitórias em etapas de Copa do Mundo. 

12 – Babe Didrikson (Estados Unidos)

Ela ganhou destaque por ser uma multiatleta. Sendo que participou das Olimpíadas de 1932 em 3 modalidades diferentes, sendo campeã no lançamento de dardo e nos 80 metros com barreiras. Além disso, ela ficou com a prata no salto em altura.

Foto: (reprodução/internet)

Mais tarde, após todos esses ouros e títulos, ela ainda foi destaque no golfe, sendo uma das mulheres pioneiras a levar o esporte para o lado feminino. Com isso, foi uma referência mundial. Ah, e no tempo livre ela jogada beisebol e basquete. 

11 – Danica Patrick (Estados Unidos)

O nome de Danica está aqui porque é o maior nome feminino dentro do automobilismo. Aos 38 anos, ela acumula 115 corridas na Indy Car Series e tem 190 corridas na Nascar Cup Series e mais 61 pela Nascar Xfinity Series. 

Foto: (reprodução/internet)

Curiosamente, ela é a dona da única vitória de mulheres na Fórmula Indy. Isso aconteceu em 2008, quando ela venceu o Indy Japan 300. No ano seguinte, também apareceu por ser a primeira mulher a subir ao pódio nas 500 Milhas de Indianápolis, ficando em 3º lugar. 

10 – Hortência (Brasil)

Se você pensar no basquete profissional feminino, com certeza, o seu nome vai passar pelo da Hortência. Ela é uma ex-jogadora brasileira que marcou época e história. Foi o principal nome dos anos dourados brasileiros nessa modalidade, o que resultou em um mundial.

Foto: (reprodução/internet)

Além disso, ela também venceu um pan-americano e tem a prata olímpica, o que é um dado muito relevante para o Brasil, que ainda não se firmou como seleção de destaque no basquete – exceto na época a Hortência. Ela faz parte do Hall da Fama da modalidade. 

9 – Marta (Brasil)

Marta é outro nome brasileiro que merece estar nessa lista. Isso porque estamos mencionando agora o esporte mais popular do mundo. E Marta foi quem se tornou referência para o mundo ao ser eleita a melhor jogadora do mundo por várias vezes.

Foto: (reprodução/internet)

Além disso, na última Copa do Mundo ela foi a jogadora que bateu um novo recorde, ao se tornar a maior goleadora de copas, passando até mesmo os jogadores homens. Ela é bicampeã mundial e olímpica.

8 – Amanda Nunes (Brasil)

E para fechar a lista de brasileiras nessa lista, saiba que Amanda Nunes também é uma referência por disputar jogos e lutas de um esporte considerado totalmente masculino: o MMA. Porém, ela tem mudado muito esse cenário e é uma das queridinhas do UFC atual.

Foto: (reprodução/internet)

A leoa, como é chamada, detém títulos de vários pesos ao mesmo tempo. O que faz dela um ícone para a nova geração. Inclusive, chegou a ser uma estrela maior do que a Ronda, que foi uma norte-americana que deu luz ao esporte de combate para mulheres. 

7 – Larissa Latynina (Ucrânia)

Ela é ucraniana, mas representou a Rússia nas competições. É uma ginasta que ficou por 48 anos sendo considerada como a maior detentora de recordes de mais medalhas em Jogos Olímpicos. Isso até ser ultrapassada por Michael Phelps, um nadador norte-americano.

Foto: (reprodução/internet)

Ela possui 18 medalhas na carreira nesses Jogos, sendo que metade são de ouro. Isso porque ela disputou competições apenas entre os anos de 1952 e 1966. Logo, ela participou de 3 edições dos Jogos, sendo de 1956 até 1964.

6 – Regla Torres (Cuba)

A cubana Regla é uma das maiores jogadoras de vôlei de todos os tempos. Ela é tricampeã olímpica, bicampeã mundial e tem o título de melhor jogadora do século 20 também. E o seu cartel de ouros é bem extenso.

Foto: (reprodução/internet)

Sendo assim, passa por 3 ouros olímpicos, mais 2 mundiais, outros 3 em Copa do Mundo, tem a copa dos campeões, a World Top Four 2 vezes, mais 2 ouros em Grand Prix e outros 2 em Jogos Pan-Americanos. É preciso um quadro para tantos ouros, hein. 

5 – Elena Isinbaeva (Rússia)

Ainda que ela não esteja em uma posição certa, porque realmente é complicado criar um posicionamento para tantas mulheres incríveis, saiba que de algum modo a Elena teria que fazer parte dessa listagem. 

Foto: (reprodução/internet)

Ela é uma atleta do salto com vara e que tem nada menos do que 28 recordes mundiais batidos. Além de ser uma tricampeão mundial e bicampeã olímpica na sua modalidade. Uma curiosidade é que em 2001 ela conseguiu uma 7ª posição no mundial. E depois vieram 9 ouros na carreira, sendo o último em 2013.

4 – Victoria Roche (Coreia)

Ela é da Coreia, mas foi adotada por pais britânicos. Assim, quando morava em Bruxelas, na Bélgica, foi a primeira menina a começar a jogar na liga mais importante de beisebol de lá, a Little League World Series, em 1984.

Foto: (reprodução/internet)

Assim, a liga começou a permitir que mulheres se inscrevem também. Já no ano de 1970, ela foi a primeira mulher a chegar em uma final da liga. Ela era outfielder da seleção da Bélgica e no mesmo elenco tinha o seu irmão, o Jeremy. Após Roche, outras meninas entraram no esporte.

3 – Marit Bjoergen (Dinamarca)

Marit é hoje a maior medalhista olímpica dos Jogos de Inverno. Isso aconteceu em 2018, nos Jogos de Sochi, quando ela venceu a sua 15ª medalha, quando tinha 37 anos de idade. Ela compete em provas de esqui de fundo. 

Foto: (reprodução/internet)

Só nos jogos de Vancouver, no Canadá, ela conseguiu 3 medalhas de ouro. Em Sochi foi mais 3 ouros. E mais recentemente, em 2018, ela conseguiu mais 2 ouros. Sendo um total de 8 ouros. Além disso, ela tem 4 pratas e mais 3 bronzes, que vieram entre 2002 e 2018.

2 – Edurne Pasaban (Espanha)

Você vai se impressionar porque a Pasaban está aqui. Ela não venceu olimpíadas e nem mundiais. Também não marcou gols de bicicleta e nem cestas de 3 pontos. No entanto, aos 16 anos, ela subiu o Mont Blanc e com 28 chegou ao Monte Everest. 

Foto: (reprodução/internet)

Assim, o seu nome ficou marcado no livro dos recordes na área do alpinismo. Isso foi em 2010, quando ela tocou o cume do Shisha Pangma e tornou-se a primeira mulher a completar o ato heroico de subir 14 cumes de mais de 8 mil metros.

1 – Nadia Comaneci (Romênia)

É bem provável que você já tenha ouvido falar desse nome. Afinal, estamos diante de uma atleta que se tornou uma das maiores do mundo logo no início da carreira. Isso porque aos 14 anos, Nadia conquistou o primeiro 10 da ginástica artística feminina. 

Foto: (reprodução/internet)

Ao todo, ela soma 5 ouros olímpicos e 2 mundiais, além de outras 4 medalhas em Olimpíadas. A especialidade dela foi em barras assimétricas e trave. No entanto, ela também tem medalhas em competições de salto sobre cavalo e solo. 

Outros nomes

Também é importante salientar que existem sim outros nomes que poderiam ser lembrados aqui. Por exemplo, Simone Biles, dos Estados Unidos, que é uma atleta muito jovem e que já dispõe de várias medalhas olímpicas de ouro. 

No entanto, o foco foi buscar nomes que foram as primeiras referências no esporte, na modalidade, em recordes. Já Biles é uma atleta mais jovem, que com certeza vai aparecer em outras matérias, com mais destaque.